top of page

Greenpeace Magazin (Alemanha)

Edição Maio-Junho 2023

ATÉ A ÚLTIMA GOTA

A luta global pela água

Textos Christine Wollowksi, Fred Grimm, Thomas Merten. Ilustrações Julia Praschma




















Movimentos de água


A água é um direito humano. No entanto, prevalece em muitos lugares do mundo a falta ameaçadora. Apresentamos quatro iniciativas que combatem a corrupção, secas, vedação, racismo ou corporações que lutam por sua água


A primavera jorra sob o pavimento


O coletivo Secura Humana traz cursos de água escondidos e nascentes visíveis sob ruas, casas e praças de São Paulo


Nem uma gota saiu da torneira das pessoas, que acumulavam água em baldes, não tomavam banho por dias - a megacidade São Paulo, no Brasil, experimentou a maior escassez de água de todos os tempos. E professor de geografia Wellington Tibério, como no meio do deserto de asfalto, notava água límpida que jorrava do solo.

As crianças espirravam alegremente antes a água fria no barranco mais próximo desaparecido. Tinha em um canteiro de obras que escavou um recurso de água escondido e se expôs. Desde essa experiência no verão, o geógrafo de 47 anos abre com mais frequência tais cursos de água que simplesmente fluem para bueiros, desviando sua rota, talvez porque eles estão construindo arranha-céus que atrapalham o projeto de cidade. "É um absurdo", diz. "Acima de uma enorme bacia hidrográfica, milhões de pessoas estavam com torneiras vazias, havia muita água na cidade que ninguém usava.”

Assim nasceu o coletivo (se)cura humana, que em ternos amarelos e máscaras de gás

executa ações de arte há sete anos, provocam um repensar. O requisito: quebrar superfícies seladas e deixar a água fluir!

Tibério e seu companheiro, o videoartista Flavio Barollo, vestindo equipamento de proteção no sujo Rio Tietê, entraram no rio onde as pessoas acham surreal andar em um rio morto, sem vida. Eles vêem os cursos d'água e nascentes, dos quais existem centenas sob o cidade montanhosa, direciona essa água com canos para lagos artificiais auto-criados que eles povoam com plantas aquáticas e peixes.

Ou convidam os moradores para festas na praia com piscina infantil. As ações do coletivo são autofinanciadas e chamam a atenção na mídia e entre os moradores.

“Uma vez pegamos um ônibus cheio de plantas aquáticas. E moradores trazem comida pra gente durante as construções”, conta Tibério.

A cidade não usa os recursos hídricos até hoje: a pressão das linhas de alimentação de água são regularmente reduzidas a para evitar novas faltas. É perceptível especialmente nas favelas da periferia, onde a água muitas vezes não chega mais.

Em suas apresentações "semi-legais", o (se)cura humana nunca pede permissão oficial. Construíram uma das lagoas paisagísticas para a cidade, e o poder público gostou. "Talvez tenha evoluído para um diálogo”, diz Tibério. "Eu cresci em uma São Paulo sem cursos d'água. Para o meu filho, agora a presença de lagos pertence à paisagem urbana, onde ele pode ver e alimentar peixes – considero isso um sucesso!”


BRASIL

► Com 12% do mercado global

Ocorrência é Brasil

país mais rico em água doce do

Terra, mas até a Amazônia

sofre com a crise climática

já sob secas.

► Cerca de 35 milhões de pessoas

no Brasil, cerca de 16 por cento

da população não tem nenhum

acesso à água potável.

► Até 40% da água potável

sai das linhas

através de canos obsoletos e

conexões ilegais perdidas.

► 100 milhões de brasileiros estão

não a um sistema de esgoto

conectados, as razões são

incluindo o rápido

crescimento populacional e

aquele que mal acompanha o ritmo

planejamento urbano.



Revista completa em pdf:


GPM323_Wasser
.pdf
Download PDF • 13.42MB

52 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo
bottom of page